sábado, 14 de março de 2009

360 graus

Há um gole preso no
nó.

Andar, delinear
os passos contados
dentro, fora
dos rastros do espaço.

Giro fecundo, profundo
Salto liberto, imerso:
na chama
da cama
que ama,
no tédio,
Remédio!

Nobre névoa
da garganta sedenta.

Pular, desfigurar
as faces pintadas
acima, abaixo
do rosto da fada.

Rever, rememorar
a visão retratada

Curva acentuada, demasiada
Reta libertina, vitamina:
pra cópia
dos corpos
em cópula,
Coprófila!

macia, suave
na clave ensolarada.

Fila de filos de falos falantes,
Filha de filhos de falhos falhantes
Uma Felina ferindo a ferida,
da fera forjada e feroz:

Há um contorno em torno
do sol,
Há uma linha infinita
afiada e algoz.

Um comentário:

AUTOFICÇÃO disse...

As palavras vem e se sobrepõem, formam imagens, que ferem, acarinham, provocam, despertam reflexões. Ilusões? Sonho? Asco? Certezas incertas...